No inverno a pele fica mais ressecada porque transpiramos menos (e secretamos menos óleo na superfície da pele), e porque temos o costume de tomar banhos quentes demorados, que reduzem a hidratação natural e, consequentemente, a camada protetora da pele. Ficamos mais propensos à irritação, ressecamento, coceira, perda de luminosidade, rachaduras e fissuras – o que também nos deixa mais vulneráveis à algumas doenças de pele características da estação. Que doenças são essas e como evitá-las?

Dermatite atópica: caracterizada pela coceira e até lesões de pele chamadas eczemas. É mais comum em crianças, mas também pode ocorrer em adultos e idosos.

Dermatite seborreica: mais frequentes no rosto, couro cabeludo, colo e nas costas, apresenta-se como placas que descamam.

Psoríase: atinge não apenas a pele, como também unhas e couro cabeludo. É uma doença inflamatória crônica, que pode afetar até as articulações. Hidratação mais intensa ajuda a amenizar as lesões.

Prevenção

EVITE: muitos banhos demorados e com água muito quente, buchas vegetais, esponjas e esfoliantes, sabonetes comuns em demasia (ressecam a pele) e toalhas ásperas.

USE: sabonetes hidratantes, que respeitem o pH da pele e hidratantes específicos para logo após o banho.

Consulte-se!

Diante do aparecimento de qualquer sintoma, consulte o dermatologista e evite se automedicar para não piorar o quadro. O profissional vai indicar o tratamento com os produtos adequados ao seu tipo de pele.

Fonte: SBDRJ